Opinião

now browsing by category

 
Posted by: | Posted on: março 16, 2020

Zé Arigó chega aos cinemas

 

É preciso esperar para aquilatar da fidelidade e veracidade dos fatos, já que a qualidade fílmica e o elenco de atores deixam positiva expectativa

Por Wilson Garcia

Estava eu em um taxi na avenida Prestes Maia, na altura do Mercado Central de São Paulo, quando, subitamente, o rádio do carro faz uma pausa na música e anuncia o falecimento do médium mineiro Zé Arigó, vítima de um acidente automobilístico próximo de Congonhas do Campo, onde nasceu e residia. A surpresa, o susto ficaram gravados na memória. Recém-espírita, ouvia pelos corredores da Federação conversas sobre as curas mediúnicas do médium, mas não possuía ainda noção clara dos fenômenos de que era ele protagonista.

A notícia correu rápida e logo todo o país tomava contato do ocorrido As histórias se multiplicaram, do fantástico ao milagre, da aceitação e da condenação, da acusação à suspeita. A compreensão da mediunidade de cura, desafio dos pesquisadores e estudiosos, surgia trêmula num cenário de suspeitas e deslumbramento. O tempo passou em sua duração permanente, mudando cenários, mas não a realidade em relação à cura mediúnica de que Zé Arigó é o maior expoente ainda hoje, depois de 49 anos de seu desaparecimento físico. Read More …

Posted by: | Posted on: março 13, 2020

A vida e os milagres de Frei Galvão à luz do Espiritismo

Frei Galvão, o primeiro santo nascido no Brasil, ganha biografia romanceada à luz do Espiritismo. Vale a pena conferir o livro.

No livro “Frei Galvão, Os Sonhos e O Destino de Um Santo”, Afonso Moreira Jr., palestrante do CCDPE-ECM, interpreta a vida e desvenda os milagres do santo brasileiro sob a ótica dos preceitos da doutrina espírita.
Frei Galvão, o primeiro santo nascido no Brasil, acaba de ganhar biografia romanceada à luz do Espiritismo. No livro “Frei Galvão, Os Sonhos e O Destino de Um Santo” (Aliança Editora  288 páginas), o médium e autor Afonso Moreira Jr., palestrante do CCDPE-ECM, interpreta a vida e desvenda os milagres do frade sob a ótica dos preceitos da doutrina espírita.
Antônio de Santana Galvão (1739-1822) foi o primeiro brasileiro canonizado pelo Vaticano, em 2007. Famoso por seus dons de cura, era dono de extraordinária mediunidade. Foi clarividente de grandes recursos, capaz de praticar curas à distância, profetizar, levitar e desdobrar-se espiritualmente. Read More …

Posted by: | Posted on: março 13, 2020

Todos aqueles que pensam podem amenizar seus males e se melhorar

a Via Láctea possui cerca de 100 bilhões de estrelas, ou seja. temos quase tantos neurônios quanto a nossa galáxia tem de estrelas.

 

Ser incapaz de lidar com problemas é desconhecer as infindáveis possibilidades da máquina divina que é o cérebro e, indo além, de seu operador, o espírito.

Por Rosana Amado Gaspar*


Estudos recentes revelam que o cérebro humano possui 80 bilhões de neurônios. Para se ter uma ideia do que este número representa, a Via Láctea possui cerca de 100 bilhões de estrelas, ou seja. temos quase tantos neurônios quanto a nossa galáxia tem de estrelas. Este órgão fantástico, que possui uma superfície quase do tamanho de uma folha aberta de jornal, precisa se enrugar e preguear para caber no limite do crânio. Pesquisas também mostram a superioridade do cérebro em relação a um supercomputador.
Para simular um único segundo de atividade cerebral humana necessita de 82.944 processadores e 40 minutos de tempo. Tal instrumento fascina e intriga a ciência positivista, que não compreende os mistérios que envolvem o cérebro, desconsidera que é uma máquina e, como tal, precisa de um condutor. Read More …

Posted by: | Posted on: março 13, 2020

Porque Hippolyte Rivail mudou seu nome para Allan Kardec

Allan Kardec é um nome conhecido e falado no mundo todo. Denisard Hippolyte Leon Rivail bem menos. Por que o codificador do espiritismo teria adotado um pseudônimo? Qual seu significado? 

O educador e cientista francês Denisard Hippolyte Léon Rivail elegeu seu pseudônimo quando um espírito lhe revelou que haviam vivido juntos entre os celtas, na antiga região da Gália, quando Denisard se chamava “Allan Kardec”. O momento exato da mudança aconteceu em uma sessão espírita do ano de 1857, quando o espírito protetor Zéfiro comunica a Denisard tê-lo conhecido em uma vida anterior. Sob esse pseudônimo, então, ele assinou e publicou as obras que sintetizam a Doutrina Espírita e o tornaram mundialmente conhecido. Como antes de seu notável trabalho como a pesquisa científica sobre fenômenos paranormais, Denisard foi discípulo do reformador educacional Johann Heinrich Pestalozzi e assinou diversos estudos, achou que deveria separar suas obras da “ciência ditada pelos espíritos” de seus anteriores trabalhos pedagógicos.Os celtas foram um dos grandes povos da Europa entre os anos 600 e 50 a.C., quando seus domínios se estendiam principalmente pelos atuais França, Grã-Bretanha, Espanha e Portugal. Como as tribos celtas viviam em constante conflito e guerra, apesar das tentativas de unificação, foram uma a uma sendo conquistadas pelo imperador César e seus territórios anexados ao Império Romano. As poucas tribos que resistiram e avançaram pela era cristã habitavam o norte das atuais Escócia e Irlanda. Read More …

Posted by: | Posted on: março 13, 2020

CCDPE lança livro O legado de Kardec

A obra da pesquisadora espírita Simoni Privato Goidanichi aborda várias alterações que deturparam trechos do conteúdo original de “A Gênese”.


O CCDPE-ECM acaba de lançar no Brasil o livro O Legado de Allan Kardec, de Simoni Privato Goidanichi, leitura fundamental para quem quer conhecer o verdadeiro legado deixado para a posteridade pelo codificador do Espiritismo.
A autora faz uma reavaliação crucial de uma das obras fundamentais da doutrina, A Gênese, que completou 150 anos em 2018. A obra aborda várias alterações que deturparam trechos do conteúdo de A Gênese, feitas na quinta edição, que perduraram nas reedições e traduções posteriores, até os dias de hoje. Contextualiza essas alterações do livro no momento histórico do chamado “o ano terrível” (1872), época de diversos embates no movimento espírita. Trata também controvérsias legais a respeito do nome e o pseudônimo de Kardec, o “processo dos espíritas”, os cerceamentos à viúva de Kardec, a queima de seus arquivos e documentos e vários outros assuntos. Read More …

Posted by: | Posted on: março 13, 2020

Chico Xavier à luz da inteligência artificial

Uma empresa de análise de textos por inteligência artificial confirmou o que sempre soubemos: os livros do médium foram “escritos” por autores diferentes.

Uma empresa brasileira que trabalha com análise de textos via inteligência artificial resolveu investigar a obra de Chico Xavier. O objetivo era descobrir se as obras psicografadas pelo médium tinham pontos em comum. Os técnicos queriam respostas para duas perguntas: esse autores têm cada um seu estilo próprio? Eles são suficientemente diferentes entre si? Para isso analisou textos dos três dos principais autores psicografados pelo médium: Emmanuel, André Luiz e Humberto de Campos.
As obras psicografadas foram analisadas por uma técnica de aprendizado de máquinas chamada Deep Learning. A partir de grandes quantidades de dados, o computador aprende a criar relações entre eles, procurando semelhanças entre verbos, adjetivos e substantivos, por exemplo.
Ao final, os computadores foram incapazes de encontrar os mesmos padrões de estilo de uma entidade espírita nos livros da outra. Resultado: segundo a pesquisa, os três autores são, sim, marcadamente diferentes. Prova de que cada espírito tinha um estilo próprio de narrativa, e que Chico Xavier foi apenas o “meio” usado para se expressarem.

Posted by: | Posted on: março 13, 2020

Conheça a peça teatral escrita por Allan Kardec

Usando ainda seu nome de batismo, H. Rivail, o codificador de espiritismo, criou Uma Paixão De Salão, comédia romântica encenada em Paris em 1845.

Pouca gente sabe que Allan Kardec, que ficou para a posteridade como o codificador do Espiritismo e autor das obras fundamentais da doutrina, escreveu uma peça teatral. Chamada Une Passion de Salon (Uma Paixão de Salão), é uma comédia romântica de encontros e desencontros amorosos que Kardec escreveu usando ainda seu nome de batismo.
Foi nos tempos em que ainda era conhecido como professor Rivail. Allan Kardec era um intelectual versátil, deu aulas de matemática, física, química, astronomia, anatomia e francês e escreveu gramáticas e aritméticas. Em 1843 lançou essa que foi sua única peça teatral, escrita em parceria com o jovem dramaturgo Léonard Joseph Urbain Napoléon Gallois (1815-1874), que se tornou mais tarde historiador e bibliógrafo com várias obras publicadas. Read More …

Posted by: | Posted on: março 13, 2020

Quem tem medo da morte?

A doutrina espírita nos consola e nos ensina que o espírito vive para sempre. Assim, precisamos nos educar nesta vida para criarmos um novo futuro. 

Por Alan Diniz Souza*
Eu temo, tu temes, eles temem, vós…
Vivemos focados na matéria, a grande maioria de nós criados para o “ter”. Queremos ter o melhor carro, a melhor casa, a melhor roupa ou até o melhor corpo. Neste modelo da cultura ocidental do consumo e da posse. Confundimos até o que é mais importante: nossa essência espiritual ou nosso corpo físico? Vivemos numa ânsia desvairada de tudo ter.
Quanto mais ajuntamos, mais tememos perder, mais precisamos nos proteger dos outros e isto gera o medo da perda. Achamo-nos eternos no corpo e isto gera a fuga da realidade, sendo em alguns a ponto de nem querer pensar na morte do próprio corpo físico e se afastar de tudo que conquistou. Estamos presos à matéria e ela é passageira, tornando nossa vida muito frágil e sem sentido, pois colocamos todas as nossas esperanças e propósitos em tudo que é passageiro. Read More …

Posted by: | Posted on: março 13, 2020

Como vencer a ansiedade? Viva o momento

Jesus ensina que devemos viver cada dia, cada hora, porque cada ocasião vale pelo que sucede. Propôs que fosse vivenciada cada experiência no seu momento próprio, mantendo-se irrestrita confiança em Deus. 

Por Divaldo Pereira Franco*
“O nobre psiquiatra Emílio Mira y Lopez analisa, em sua obra monumental Os Quatro Gigantes da Alma, esses adversários do equilíbrio emocional da criatura humana, responsáveis por terríveis dramas do comportamento.
Parafraseando o emitente estudioso da psique, apresentamos a ansiedade como um aflitivo gigante que os tempos modernos acrescentaram ao mapa existencial e que domina expressivo número de indivíduos que jornadeiam aturdidos, sem a capacidade de fruírem paz.
A dinâmica dos dias atuais exige grande mobilidade, apurada atenção em torno dos acontecimentos, em face da rapidez com a qual as notícias são apresentadas, proporcionando incontrolável ansiedade nos menos resistentes e nos sentimentos da sociedade como um todo.
A falsa necessidade de estar-se informado a respeito de tudo quanto acontece no mundo impõe tormentosa inquietação emocional quanto insegurança pessoal, de modo a poder-se precatar das ciladas e desastres morais que surgem e são manchetes a cada momento. Read More …

Posted by: | Posted on: fevereiro 29, 2020

Justiça social não cobre em extensão o sentido de Caridade

Justiça social é uma construção moral e política baseada na igualdade de direitos e na solidariedade coletiva. Em termos de desenvolvimento, a justiça social é vista como o cruzamento entre o pilar econômico e o pilar social. (Wikipédia)

Fez-se recentemente uma conjectura sobre a presença de Kardec reencarnado nos dias atuais, admitindo-se que, neste caso, ele possivelmente daria preferência ao termo Justiça Social em detrimento ao termo Caridade. Assim, teríamos “fora da justiça social não há salvação” em lugar de “fora da caridade não há salvação”. Certamente, para que tal mudança ocorresse, teríamos de convir que também os Espíritos que assessoraram o codificador assim pensariam, de modo a ocorrer o que no século XIX aconteceu: a opção de Kardec pela definição do paradigma “fora da caridade não há salvação”. Mas tal decisão, hoje, não teria por motivação a oposição ao que pregava, então, a Igreja Católica, que afirmava “fora da Igreja não há salvação”, uma vez que as lutas contemporâneas já não mais se concentram com igual força nas religiões, mas, sim, nos conflitos sociais, que por si mesmos são conflitos políticos e econômicos, em que o espectro social assenta-se nos extremos da injustiça e afrontam violentamente, por isso, a individualidade humana nos seus direitos mais simples. Read More …