Cartas de Kardec, pelo NUPES, coloca a público os mais esperados documentos do acervo Canuto de Abreu

Mais de 2 mil visualizações comprovam que o evento era de fato ansiosamente aguardado. Agora, todos poderão ver, estudar e analisar documentos originais do fundador do espiritismo.

Uma parceria entre o CDOR, Centro de Documentação e Obras Raras da Fundação Espírita André Luís (CEAL) e a Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) coloca a público o acervo importante cuidado e conservado por Canuto de Abreu, que contém documentos e cartas de Allan Kardec e do próprio Canuto.

Trata-se de um evento, ocorrido hoje, 1º de setembro de 2020, que deve ser visto pelos meios espíritas e acadêmicos como dos mais destacados das últimas décadas, não só pelo tempo de espera, mas também pela sua repercussão e influência nos estudos do nascimento, desenvolvimento e expansão da doutrina originada pelo empenho de Allan Kardec.

Uma história dos percalços que essa documentação sofreu será um dia totalmente esclarecida pelos fatos, dada a necessidade de mostrar a verdade. Quando vivo, Canuto de Abreu foi assediado, importunado, por demais pressionado a divulgar o seu acervo, especialmente alguns documentos.

Com a publicação da parceria do CDOR-FEAL com a UFJF oficialmente feita, tem-se como garantida que todos os documentos estarão ao alcance dos interessados e não interessados, impedindo, assim, que sejam furtados ao conhecimento da sociedade por não interessarem a grupos específicos de conservadores, que se sentem ameaçados em seus interesses.

O conhecimento das Cartas de Kardec e documentos complementares promete revelar o homem, o missionário, a personalidade e os interesses em jogo, que passaram ao largo do saber e da clareza tão fortemente reclamada.

Qualquer pesquisador poderá, a seu talante, acessar os documentos e analisá-los segundo seu projeto, suas dúvidas, sua ótica, seu critério histórico, sem dever obediência a quem quer que seja, a sua autonomia e liberdade, condições indispensáveis para escrever e reescrever o trajetória do espiritismo como de fato Kardec deixou expresso em suas esperanças quanto ao futuro.

O evento de lançamento do portal, cujo endereço eletrônico pode ser acessado em Projeto Allan Kardec, constitui-se um dos mais destacados dos últimos tempos, devido sua importância. Dele participaram representantes da academia, da Fundação Espírita André Luiz, além do biógrafo de Kardec Marcel Soto Maior e destacados pesquisadores como a francesa Marion Aubrée. A recepção pela Universidade Federal de Juiz de Fora do acervo demonstra a clareza mental a respeito do trabalho científico, que deve estar acima de interesses pessoais e grupais, para atender ao interesse maior da sociedade. Ciência que impõe restrições ao conhecimento não é ciência na acepção do termo, mas política das piores.

A verdade não tem dono, ela é de todos e para todos. Nesta linha de raciocínio, o conhecimento não pode ficar restrito, preso, aos desejos de indivíduos ou grupos, pois se trata de patrimônio imaterial pertencente à sociedade. Nenhum argumento será capaz de contrariar esse axioma.

Por Wilson Garcia

Presidente do CPDoc, diretor de Comunicação do CCDPE, membro do Conselho da Fundação J. Herculano Pires e pesquisador do CDOR.

One thought on “Cartas de Kardec, pelo NUPES, coloca a público os mais esperados documentos do acervo Canuto de Abreu

  1. EU acredito que, agora, o mestre lionês tornar-se-á uma personalidade mais densa e acessível, sem a volátil percepção daqueles que o imaginavam “um missionário inalcançável”, preso a uma redoma de vidro de museu.
    O TRABALHO das instituições envolvidas merece nosso mais sincero e profundo reconhecimento pelo comprometimento de cada com as tarefas que lhe foram dadas. A pesquisa espírita ganha informações relevantes para a posteridade.
    A VERDADE, finalmente, dissipará as trevas das hipóteses e suposições que fomentavam a mentalidade de estudiosos e pesquisadores “acomodados” com o conhecimento adquirido. Parabéns a todos! E vamos em frente.

Deixe uma resposta para Carlos Barros Filho, jornalista, editor e coordenador da CEI - Central Espírita de Informação, de João Pessoa, PB. Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *