Pandemia e suicídio de mulheres no Japão

Jáder dos Reis Sampaio*

O jornal O Estado de S. Paulo publicou (em 24 de fevereiro de 2021) uma matéria sobre o aumento de suicídios de mulheres no Japão, durante a pandemia. Foi uma alta de 15% em 2020, com relação ao ano anterior.

As relações de trabalho no Japão vêm mudando, mas ainda espelhariam a ideia de que o salário do marido sustenta a família e o salário da mulher é exclusivamente para ela. Como resultado, é usual que o vínculo do trabalho feminino seja mais precário (meio horário, por exemplo), a remuneração menor (nos anos 90, era legal pagar menos para uma mulher que para um homem que ocupasse o mesmo cargo) e as mulheres ocupam postos de trabalho mais precários que os homens. Em outras palavras, as relações de trabalho no Japão espelhavam uma sociedade na qual a mulher adulta era criada para o casamento.

Outra característica que estudamos na nossa dissertação de mestrado é o papel exacerbado da vergonha da cultura japonesa. Não corresponder às expectativas, pode gerar muito sofrimento no Japão. Vez por outra vemos notícias de autoridades japonesas descobertas praticando corrupção, seguido de autoextermínio. 

Mais uma característica do povo japonês destacado pelo autor da matéria é o estoicismo, ou seja, o enfrentamento das dificuldades com tentativa de imperturbabilidade e uma aceitação resignada do que é visto como destino. Como consequência, os quadros de transtorno mental, sem tratamento, se agravam.

Uma última característica cultural que complica ainda mais a situação: “infelizmente a tendência atual é culpar a vítima”, afirma uma professora de ciência política, Michiko Ueda.

Some-se a essa cultura os problemas da pandemia. Com o isolamento social, muitos negócios demitiram ou fecharam, e as mulheres sofreram mais o desemprego, seja porque tinham vínculos mais frágeis de trabalho (trabalho temporário ou de meio horário), seja porque trabalhavam em segmentos da economia muito atingidos, “como restaurantes, bares e hotéis”. 

Algumas mulheres ficaram, então, sozinhas em casa, como mostram no artigo. Solidão, culpa, desesperança juntos, além de uma concepção de suicídio como saída honrosa, estão todos associados ao aumento do suicídio feminino na pandemia.

Por que estou escrevendo sobre o suicídio feminino no Japão em um blog sobre espiritismo? Inicialmente porque podemos orar por elas. Aprendemos com Yvonne Pereira a importância da prece para o suicida. 

Outra razão, é refletirmos sobre as pessoas que estão sozinhas e especialmente muitos espíritas que adotam uma posição estóica e não aceitam ajuda psicológica e psiquiátrica, acreditando, ingenuamente, que bastam os recursos do centro espírita para lidar com o sofrimento psíquico. Os passes e as reuniões são realmente úteis, assim como a relação de proximidade que nós espíritas estabelecemos entre nós, mas, na pandemia, e os centros espíritas respeitando as políticas de isolamento social, muitos desses recursos não ficaram acessíveis, principalmente aos grupos de risco.

Precisamos, então, usar dos recursos à distância nas casas espíritas, como muitas têm feito, e incentivar as pessoas a buscaram auxílio psicológico ou psiquiátrico quando começam a apresentar a ideação suicida (imaginar como suicidarem-se) e queixarem de não “dar conta” do peso dos conflitos em casa ou da solidão. O acolhimento fraterno das casas espíritas pode ser realizado por telefone, por exemplo. A prece direcionada às pessoas em sofrimento também pode ser feita. As reuniões mediúnicas, como já o dissemos antes, mesmo que reduzidas a encontro, prece, estudo e irradiação, empregando aplicativos, podem ser mantidas. Palestras ao vivo (“lives”) com participação dos que assistem, mesmo que apenas através dos “chats”, são um recurso importante contra a rotina e a solidão.

Faço um apelo para que os espíritas japoneses pensem em alguma forma de auxiliar os que se encontram sozinhos, presos em casa, em seu país. Muito pouco pode fazer a diferença entre suicídio e sobrevivência.

Precisamos também aceitar que somos frágeis, não somos “completistas”, nem superiores aos nossos irmãos que apresentam outras crenças, e que podemos necessitar de “ajuda psi” para lidar com situações que nos tiram de nossa “zona de conforto” 

Meditemos sobre o que está ao nosso alcance e o que podemos fazer, além de aceitar nossas fragilidades e jamais evitar buscar ajuda profissional ou não quando necessário.

*Jáder dos Reis Sampaio é espírita, escritor, professor universitário aposentado, psicólogo do trabalho, mantém o blog Espiritismo Comentado. Entre outras realizações, coordenou, com Adilson Assis, Alexandre Fonseca e Marcos Milani, a série “Pesquisas Brasileiras sobre o Espiritismo”, composta por 10 livros com os artigos dos Enlhipes, e, em parceria com Nadia Luz e a Clélia Bueno, a série “Espiritismo na Universidade”, com outros seis livros com trabalhos acadêmicos aprovados (teses, dissertações, pesquisas profissionais), entre outros livros. As duas coleções são editadas pelo CCDPE-ECM. Também fez a tradução para o português das obras de Alfred Russel Wallace, coautor da teoria da evolução com Darwin., Wallace era espiritualista e pesquisou a imortalidade da alma.

Foto: Kiyoshi Ota/Bloomberg

Artigo veiculado em http://espiritismocomentado.blogspot.com/2021/02/pandemia-e-suicidio-de-mulheres-no-japao.html?m=0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *